Your address will show here +12 34 56 78
Marketing Digital

O público-alvo é a alma de um negócio. Parece clichê dizer isso e talvez todos que leem essa frase já sentem uma grande vontade de já fechar o artigo, pois ele não somará, aparentemente.

Entretanto, é preciso destacar como o público-alvo é a engrenagem que movimenta a máquina. É o público-alvo minuciosamente delimitado que torna-se o verdadeiro foco dos anúncios para uma posterior venda. 

Isso porque, mesmo que leituras e mais leituras sejam feitas, artigos e mais artigos sejam escritos e vídeos e mais vídeos sejam produzidos… isso não emplaca. E por que não emplaca? 

Muito provavelmente porque esquecemos uma parte primordial do público-alvo: a emoção.

A emoção muda a chave do público-alvo

E por qual motivo a emoção tem uma relação tão direta com o público-alvo? De que forma isso é algo tão relevante?

Digamos que uma pessoa tem todas as características relacionadas ao público-alvo. A profissão, o local de residência, frequência de compra, idade e todos esses aspectos, digamos, mais “frios” do marketing.

Contudo, o que ela está sentindo no momento? O que ela esperar sentir absorvendo o seu conteúdo produzido? Como captar essa pessoa através do que ela sente? Como o que ela sente interfere no ato dela de comprar?

Enfim, são muitos os questionamentos, mas precisamos sempre lembrar que se há muitas perguntas, existem proporcionalmente respostas para cada uma delas.

O que seu público-alvo está sentindo?

O público-alvo deve estar sentindo necessidade de solucionar um determinado problema; uma angústia. O serviço/produto que se oferece deve ser apresentado como essa solução para o específico problema.

Como captar a pessoa pelo que ela sente?

Estratégias de marketing atualmente precisam ser interativas e conversar diretamente com o público evocando uma resposta emocional do cliente. É o que chamamos dentro do marketing de B2C (Business to Consumer ou, em tradução livre, Negócios para o Consumidor).

O que seu público-alvo espera sentir ao consumir seu conteúdo?

Sempre que um produto é oferecido, ele deve gerar motivação e furor. Os potenciais consumidores precisam ser estimulados pelas estratégias de marketing, para assim finalizarem a compra.

Como o que ela sente interfere nela em comprar?

Se a estratégia desagrada o consumidor, ela não compra (e provavelmente não comprará nunca mais do seu negócio). Por isso é sempre necessária a curadoria de agências especializadas na hora de implementar estratégias de marketing pontuais para um público específico.

Afinal, se você tem um público-alvo, o marketing deve ser direcionado para ele.

A ciência da emoção e o marketing digital

Existem cinco emoções básicas  que podemos tratar dentro do marketing digital quando estabelecemos uma estratégia para com o público-alvo. São elas:

  • Medo;
  • Raiva;
  • Tristeza;
  • Estresse;
  • Felicidade;

 

São elas as principais que se devem atentar quando falamos de estratégias digitais. 

Medo

Nenhuma empresa quer provocar o medo em seu público. Quando se fala em medo, evoca-se o que chamamos de Fomo (Fear of missing out, em tradução livre, Medo de ficar de fora).

Essa é uma consequência da avalanche informacional. As pessoas ficam muito atentas às redes sociais, a sites e ao email, esperando sempre algo que aconteça – sem nunca saber realmente o que está prestes a acontecer.

Isso porque o medo de ficar de fora da “onda do momento” ou do “meme da vez” causa incômodo e pavor em quem usa cotidianamente a internet.

Raiva 

Já reparou como conteúdos que evocam uma reclamação, por exemplo, são propagados? Se por um lado o marketing tem todo seu lado positivo, ele pode, na mesma medida, ter seu lado negativo.

Um mau tratamento, produto sem qualidade ou suporte mal coordenado são o bastante para que o Reclame Aqui seja acionado. E você, como empresa, não quer seu nome mal visto no Reclame Aqui, certo?

Tristeza

Segundo Jonah Berger, da Wharton School – Universidade da Pensilvânia, nos EUA, a tristeza é uma emoção sufocante. Contudo, há um lado positivo na tristeza, sob um certo ponto de vista.

Histórias emocionantes, por exemplo, cativam e inspiram, provocando felicidade e estímulo direto. Portanto, a tristeza nem sempre deve estar associado a algo negativo.

Estresse

Fazer compras está relacionado diretamente com o aliviar do estresse. Por isso, criar campanhas envolta de alívio e conforto são sempre formas de atrair potenciais consumidores para, então, aliviarem o estresse.

Felicidade

Felicidade é o sentimento que mais provoca resposta. É o que move as pessoas. O riso, a diversão e o entretenimento são sempre virais e compartilháveis.

Por isso, expressar sempre sentimentos positivos em posts é essencial para atrair público e tornar o conteúdo sempre compartilhável. 

Definindo seu público-alvo de todas as formas

Definir o público-alvo é a parte principal de uma estratégia digital. Afinal, ele é a base de todas as decisões. Isso porque cada público terá um gosto diferente, um conteúdo diverso e uma maneira de contato.

Dessa forma, existem alguns passos para definir o público-alvo, a começar por vasculhar e entender o mercado, integrar uma comunidade e separar o que é persona e público-alvo. Vamos entender melhor sobre isso? Confira!

Vasculhar o mercado

Observar o mercado e entender a concorrência é uma boa maneira de começar. Para quem seu concorrente vende? Há como competir? Há como ter alternativas? Existem estratégias para abranger ainda mais?

É a primeira análise a ser feita. A segunda é colocar-se como consumidor antes de se colocar como empresa. Afinal, é preciso, antes de pensar como empresa, pensar como cliente.

Criar grupos para segmentar o público

Criar grupos de segmentação é também criar e entender públicos de hierarquia, sob o ponto de vista do conhecimento. Ou seja, existem dois públicos:

  • os que conhecem um produto/serviço ou sabem um pouco sobre;

  • os que nada conhecem e precisam ser introduzidos do início.

A estratégia deve envolver o abastecimento de conhecimento e sanar dúvidas de ambos os grupos. Isso traz credibilidade e sustenta a posição da empresa como uma fonte segura de informação.

Entretanto, o estudo do público deve vir, primeiramente, do ponto de vista de onde é esse público e como convencê-lo? Pois bem, destrinchá-lo entre público-alvo e persona é o essencial e o primeiro passo para isso.

Público-alvo x persona: diferenças entre os dois

Através de uma tabela simples, explicamos como definir seu público-alvo e sua persona. Confira:

Tabela de público-alvo e persona de acordo com a Agência de Marketing Digital Good Ads em São Carlos

 

Personalizar o conteúdo para o seu público-alvo

Pensando-se nisso, é fundamental que se crie conteúdo pensando nessas respostas, que abrangem cada um dos itens que definem um público-alvo (mais afastado, mas ainda interessado) e a persona (consumidor ideal e especializado).

Portanto, o que se faz necessário é um trabalho voltado para o público. Uma estratégia digital que tem como base o público-alvo, sem, claro, esquecer a persona.

Essa estratégia, sempre deverá ser feita por profissionais da área, geralmente pessoas que estão há tempo no mercado e conhecem diferentes clientes, assim conseguem fazer do benchmark, algo mais personalizado para sua empresa, por exemplo.

Com isso, estamos à disposição de você, amigo, para te ajudar a buscar mais do seu público-alvo, criando engajamento e soluções. Vem fazer seu negócio render com a Good Ads Agência de Marketing Digital!

Um Agência de Marketing Especializada em Marketing Digital nesse link: Good Ads

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0
0